Ex governador Gerson Camata ES é assassinado por ex assessor

Gerson Camata líder carismático e agregador que fez história no Espírito Santo

Morreu, na tarde desta quarta-feira, 26, o ex-governador do Espírito Santo, Gerson Camata. O politico foi vítima da violência na Praia do Canto, em Vitória, e levou um tiro que o atingiu no pescoço. O crime aconteceu na rua Joaquim Lyrio.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública  (Sesp) confirmou e disse que Camata foi vítima de disparos de arma de fogo efetuados por Marcos Venicio Moreira Andrade, de 66 anos, ex-assessor do político, que chegou a fugir, mas já está preso e prestando esclarecimentos no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Informações dão conta de que Marcos Venicio Moreira Andrade, 66, encontrou o senador aposentado em uma padaria próximo de onde ele caiu morto, e disse “você não vai pagar o que me deve?”, quando Camata respondeu “Resolva com meu advogado”. Foi então que o antigo funcionário sacou a arma e atirou contra o ex-governador. Camata atravessou a rua e caiu em frente a um bar.

Há 12 anos, o ex-assessor acusou Gerson Camata, quando ainda estava no mandato de senador, de receber mesadas de empreiteiras, emitir recibos falsos para prestação de contas de campanhas ao Tribunal Regional Eleitoral, além de exigir 30% do salário que Marcos ganhava como assessor do parlamentar no Senado, para pagamento de contas pessoais do senador.

De acordo com o secretário de Segurança, Coronel Nylton Rodrigues, o assassino confessou o crime e contou que na tarde desta quarta, ao tentar tirar satisfação com o ex-governador devido a um processo na Justiça, se exaltou e atirou contra Camata. Marcus Vinicius disse que ele está com mais de R$ 64 mil bloqueados pela Justiça por causa dessa ação.

A pistola usada pelo assassino já foi apreendida pela Justiça. Marcus Venicio matou o ex-governador e saiu caminhando a pé pela Praia do Canto, mesmo bairro onde o crime aconteceu.

Renato Casagrande

Em sua rede social, o governador eleito, Renato Casagrande, afirmou estar “consternado com o brutal assassinato do ex-governador Gerson Camata.  Lamentável que um homem como ele, que tanto contribuiu para o desenvolvimento do nosso Estado, tenha perdido a vida de forma tão trágica. Nos despedimos hoje, com muita tristeza, desse líder carismático e agregador, que fez história no Espírito Santo. À família, meus sentimentos e minha solidariedade nesse momento de dor.”

Lelo Coimbra


O presidente do PMDB-ES, Lelo Coimbra, partido que Gerson Camata fazia parte, também se manifestou. “Um luto pessoal e partidário ao Camata. Encontrei com ele há três dias, estava muito tranquilo, estava comprando vinho, me parabenizou pelo meu cargo a ser ocupado em Brasília. Camata foi um governador da redemocratização do estado e teve um importante papel naquele momento. Ele acolheu todas as forças políticas da oposição à época e fez um governo que todos nós saudamos com o governo positivo, que representou o momento de redemocratização. Então, é uma pessoa que nós temos como alguém que cumpriu um papel importante na política do Espírito Santo. Além de ter sido vereador, deputado federal, governador e senador por três mandatos. É um lamento pela violência. Sempre foi um cara muito pacato, sempre soube lidar com as diferenças, sempre teve boa relação com as pessoas. Todo conflito ele buscava tirar por menos e buscava fazer caminhos de forma que aquilo se amenizasse. É uma pena, eu lamento muito, pessoalmente tinha um carinho muito grande por ele e por sua história.”

 

Paulo Hartung


O governador Paulo Hartung, decretou luto oficial de sete dias pela morte de Gerson Camata. “Recebi com muita tristeza a notícia da morte de um amigo, nosso querido ex-governador Gerson Camata. Gerson foi o primeiro governador eleito no nosso Estado no período de redemocratização do país. Fez um governo realizador e que entrou para a história dos capixabas. O Espírito Santo perde uma de suas principais lideranças. Decretei luto oficial de sete dias . Suspendi imediatamente todas as minhas agendas de trabalho para acompanhar de perto a apuração desse crime tão bárbaro . Estou colocando o Palácio Anchieta à disposição da família Camata para que o funeral seja realizado na sede oficial do governo“, afirmou.

 

Amunes


O Presidente da Associação dos Municípios Capixabas (Amunes) e prefeito de Linhares, Guerino Zanon, manifestou pesar e solidariedade à família, ao povo capixaba e aos amigos.  Destacou que Gerson Camata entra na história do Espírito Santo não só pelo seu legado de gestor público, mas pelo caráter, determinação e honestidade com que conduziu sua vida pública. “Manifestamos o mais profundo sentimento de pesar e solidariedade à família pela perda irreparável do homem convicto de seus ideais, que teve sua vida pautada pela ética e pelo espírito público”, lamentou. Já o prefeito da Serra, Audifax Barcelos, decretou luto oficial de três dias pela morte do ex-governador do Estado do Espírito Santo Gerson Camata. “Gerson Camata foi um dos mais importantes líderes políticos do Espírito Santo. Suas iniciativa e liderança deixam um exemplo muito importante neste momento difícil que o país vive. Que Deus conforte a esposa, filhos e familiares.”

 

Erick Musso


“É com muita tristeza que recebi a notícia da morte do ex-governandor Gerson Camata. Há alguns dias tive a oportunidade de estar com ele em Marilândia. De sorriso fácil e muita simpatia, sempre fazendo questão de nos deixar a vontade. Sua história política, marcada pela democracia, inspirou muitas geracões. Foi um dos grandes governadores do Estado, progressista, reconhecido pelos próprios capixabas, principalmente no interior. Aos familiares, meus mais profundos sentimentos e que Deus possa confortar o coração de todos”, disse o presidente da Assembleia Legislativa do ES (Ales).

 

Trajetória

 

Formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), tornou-se conhecido como radialista de algumas emissoras em Vitória, principalmente a partir de 1964 quando apresentou o noticioso policial “Ronda da Cidade” e posteriormente na TV Vitória onde chegou a diretor de jornalismo dos Diários Associados no Espírito Santo. Sua vida pública teve início quando ingressou na legenda da ARENA ao se eleger vereador em Vitória em 1966. Com o retorno ao pluripartidarismo em 1980, Gerson Camata optou pelo PMDB, e foi eleito governador do Espírito Santo em 1982.

Ele foi senador da República pelo Espírito Santo de 1º de fevereiro de 1987 a 31 de dezembro de 2011. Camata também foi deputado federal, deputado estadial e vereador de Vitória. Ele deixa esposa, a ex-deputada federal Rita Camata, dois filhos (Enza Rafaela e Bruno) e uma neta.

 

O ex-governador era filiado ao MDB, partido que emitiu nota destacando a trajetória dele: “A trajetória foi marcada por grandes conquistas e a defesa intransigente da democracia, se soma à capacidade singular de fazer um governo no Espírito Santo, reconhecido por todos, e em três mandatos como Senador da República com expressivos resultados para o povo capixaba. Com toda certeza, o reconhecimento da população acerca desse grande líder político capixaba, já se revela através das manifestações de pesar nas redes sociais. Nós, emedebistas capixabas e brasileiros, só temos que agradecer pela enorme contribuição que Gérson Camata deu à política e ao país e lamentar a atitude insana de quem o tirou de nós, num ato brutal, covarde e desumano. Nossos sentimentos à família e amigos, rogando que Deus venha confortar os corações entristecidos neste momento de angústia e dor”.

 ESHoje

Comentários